Doenças Psicossomáticas

Averiguando a história sabe-se que a doença, em tempos primórdios, era concebida como castigo divino. Logo, vem Hipócrates dizendo que as doenças se originam dos conflitos psíquicos, que há uma relação simultânea entre corpo e espírito e descreve que as doenças orgânicas são influenciadas por problemas psíquicos, em geral, inconscientes. No ano de 1818 Heinholt introduz o termo, que tinha como intenção classificar sintomas, sinais clínicos e doenças descritas como mentais, assim, qualquer patologia que tivesse manifestação física e que fosse de origem mental seria denominada psicossomática.

 

A palavra psicossomática é derivada de psique (mente) e soma (corpo). Atualmente a psicossomática é designada como uma vertente da ciência que aborda e trata as questões humanas buscando promover saúde tanto orgânica quanto psíquica e social.

Por entender o ser humano com uma visão integrada, de unicidade entre mente e corpo há autores que afirmam que toda doença pode ser considerada psicossomática uma vez que o soma e a psique do sujeito são inseparáveis, indissociáveis. Mas só é diagnosticado como tal, quando há uma doença orgânica a qual não possui um histórico condizente com a mesma, levando-se assim a considerar os aspectos emocionais e subjetivos.

 

O corpo, sendo a estrutura física do sujeito é, portanto, o lugar de vida e também de morte. Tudo que é interpretado das experiências vividas vai repercutir de alguma maneira na esfera física do sujeito em sua totalidade.

 

Quando há sofrimento psíquico com o qual a pessoa não encontra um escape ou até mesmo não tem condições de lidar com ele, vai-se acumulando e o corpo tende a somatizar. Se a pessoa não expressa, o organismo terá que encontrar uma maneira de manifestar. Angustias não externalizadas ficam no corpo e acabam afetando algum órgão, ou vários. Tanto o mental é influenciado pelo físico quanto vice versa.

 

Bronquite, asma, gastrite, úlcera, enxaqueca, depressão, dermatites, anorexia, obesidade, pressão alta ou baixa, impotência sexual, frigidez, dores musculares, dependência química, são alguns exemplos de danos à saúde que podem ter sua origem em motivos psíquicos.

 

Uma manifestação física interfere em toda a imagem corporal que se construiu ate o presente momento da vida e geralmente demanda de uma nova estruturação da maneira de viver. Pode haver casos em que a doença se manifesta como um mecanismo de defesa em relação à uma realidade insuportável, assim a pessoa consegue evitar, fugir, se esquivar de situações desprazerosas, não que a pessoa aja de má-fé, mas o organismo tenta, inconscientemente, se defender.

 

O fato de a enfermidade ser de origem mental é indispensável o acompanhamento clínico tendo em vista que os sintomas não são inventados, se tornaram biológicos e são causadores de intensos sofrimento a quem o vivencia. Sendo detectado que não tem uma causa orgânica, as questões psicológicas devem ser tratadas juntamente com as físicas para que sejam amenizados ou findados os sintomas e também para que se evitem sequelas futuras.

 

Psicóloga Katree Zuanazzi

CRP 08/17070