Paixão - Namoro - Amor - Casamento

“O amor é um sentimento que faz duas pessoas crescerem juntas”

(Roberto Shinyashiki)

 

 

"Amor é fogo que arde sem se ver

É ferida que dói sem se sentir

É um contentamento descontente

É uma dor sem doer”

(Luiz de Camões)

 

A vida não é um parque de diversões.

Tudo começa como um conto de fadas... "e aí viveram felizes para sempre".

Mas a vida de casado é uma outra realidade: vem a rotina, os filhos, os parentes, o trabalho e a crise.

O hábito de conversar em um clima de parceria é uma boa solução, pois assim o amor se realimenta. Mas nem sempre esse hábito existe, porque o sonho insiste em cobrir a realidade.

Cada um dos cônjuges tem seus conceitos e expectativas e assim as brigas e desentendimentos começam a acontecer.

Discussões, excesso de intolerância - até que um dia um se cala e aguenta (o famoso "engolir sapo"). Aí vêm o descontentamento, e então o afastamento e o desamor. Fica difícil compreender o(a) parceiro(a) - e aquele que amamos e que queremos amar para toda a vida, nos parece um estranho.

Uma conversa isenta pode ser a solução: uma ajuda externa, especializada, pode reatar a relação e (melhorar a) realidade, com argumentos lógicos e muitas vezes até simples, que para o casal fica difícil de ver no auge das discussões.

A fé, a compreensão o diálogo sobre as causas do conflito podem eliminar as reclamações e as frustrações.

Não podemos esquecer que nos casais os parceiros às vezes têm conceitos diferentes de vida e que só a convivência direta poderá ajustar esse (esses conceitos e o) "amor".

Uma boa conversa com seu tutor espiritual pode ser a solução. Ou então uma terapia de casal (ou de família) pode ajudar a facilitar essa comunicação. Tanto de forma preventiva como corretiva.

 

 

Jorge Brittes

“o pensamento é a presença do infinito na mente”